Dica de estudo do dia: Formando a base

Pessoal, dando sequência às dicas sobre como estudar para os concursos de procuradorias, nessa semana iremos abordar como, de fato, criar a sua base.

A base do estudo é aquele conteúdo essencial mínimo que te permite acertar uma média de 60% das questões de uma prova, que costuma ficar alguns poucos pontos abaixo do corte, mas é o conteúdo que, de início, deve ser solidificado para que os demais temas sejam devidamente aprendidos pelo aluno.

Por isso, o nome: “base” é o que vêm abaixo, dando sustentação para construções variadas. Nos estudos, não seria diferente. A base é o sustento do conteúdo aprofundado, sem a base aprendida o aluno dificilmente prosseguirá para além de uma primeira fase.

Dito isso, muitas questões surgem quanto ao estudo e formação dessa base. Agora, vamos esclarecer algumas delas:

1 – A base não é só o núcleo duro. Lembram que falamos sobre o núcleo duro do estudo para procuradorias envolver as 4 matérias principais: Administrativo, Constitucional, Processo Civil e Tributário? Então, acontece que formar a base não é só saber essas matérias. A base compreende todas as matérias cobradas no edital da sua prova, e envolve aquele conteúdo mínimo que você PRECISA saber de cada uma para que possa construir um raciocínio linear dentro da disciplina.

Isso nos leva ao item 2 de formação da base.

2 – Estude TODAS as matérias do seu edital. Sabemos que são inúmeros pontos dentro de cada matéria e que muitas vezes, dada a proximidade da prova, não conseguimos estudar cada um desses pontos e subitens arrolados. Uma coisa é certa, o estudo pós edital envolve escolhas trágicas. Todavia, não é aconselhável, pelo contrário, é temerário demais negligenciar uma matéria por completo contando com a chance (e a sorte) dela simplesmente não cair. Por isso, mesmo que direito empresarial não seja o forte da atuação de procuradorias, tal como ganha relevo nos concursos de MP e Magistratura, não pode ser uma matéria que você desconheça. A título do exemplo, recentemente (março de 2023) a prova escrita geral da PGM de Nova Iguaçu cobrou uma questão sobre natureza jurídica do estabelecimento eletrônico e essa questão valia simplesmente metade da prova de Direito Civil, o que derrubou muitos candidatos. Por isso, o conselho: estude todas as matérias, ainda que não consiga ver todos os pontos, veja os tópicos iniciais da disciplina que não é tão relevante para a sua carreira, pois por ser uma matéria menos cobrada, é justamente algum conceito inicial que pode ser cobrado, ou noções introdutórias. Tendo pouco tempo, então, não deixe de incluir no cronograma pelo menos os primeiros itens da disciplina.

3 – Comece, sempre, pelo começo. Muitos candidatos, na ansiedade de passar para os temas mais “quentes” e assuntos em voga, já começam o estudo em um ponto mais avançado do edital. Não cometam esse erro. Existe uma razão para tudo na vida, e com a ordem dos assuntos não seria diferente. A fluidez do estudo será muito maior caso o cronograma siga a ordem dos pontos do edital. Assim, por exemplo, no Dia 1 de estudos, comece pelo ponto 1 do edital de uma ou duas matérias, e vá progredindo daí. Começar do início ajuda a organizar um raciocínio coerente, consistente e sólido. Por exemplo, após o estudo de Organização da Administração Pública (geralmente abarcado nos 4 primeiros pontos do edital de administrativo), o aluno poderá passar para temas como agências reguladoras (tema mais avançado, dentro de Estado Regulador e regulação), sabendo que tais agências nada mais são do que autarquias. Essa é a importância da ordem: ela concatena as ideias de modo que o conteúdo aprendido agregue ao conteúdo novo, fixando-o mais rápida e facilmente.

4 – Estudo de base se verifica com memorização e questões. Treine bastante a fixação da base, em alguns casos, por mais que confiemos no nosso material e livros, acabamos errando o assunto em uma questão múltipla-escolha por um erro básico. Isso acontece não porque todo o estudo foi em vão, ou porque o material escolhido foi inadequado, mas talvez pelo fato de que não estávamos preparados para analisar aquele ponto da matéria daquela forma tal como foi perguntado na questão. Essa é a grande razão pela qual o treinamento de questões, seja após estudar a matéria, seja em revisões futuras, é tão relevante. Em questões, vemos o conteúdo ser abordado sob diversas perspectivas,

5 – O aluno que possui a base forte é aquele que consegue integrar os diversos conhecimentos adquiridos nas disciplinas do concurso, de modo que, mesmo sem saber “de cara” a resposta, ele consegue criar uma premissa lógica a partir dos conhecimentos adquiridos que sirva para quase todas as questões. Nunca estamos confiantes da nossa base, mas a sensação comum em todos os candidatos aprovados é a de que o estudo passa a ser uma “revisão” de tudo, o que acelera a leitura dos pontos e otimiza o tempo. A base adquirida permite um tempo maior para resolução de questões, ou leitura de informativos, ou de um artigo daquele examinador no concurso de banca própria.

Por fim, a base se constrói todos os dias, com constância e disciplina para estudar, grifar, revisar. Lembrem-se de manter a organização em dia, equilibrando as matérias e tentando cobrir a maior parte dos pontos do edital possíveis. Jamais negligenciem uma disciplina por completo, ter base é saber o mínimo em tudo e aumentar as chances de aprovação.

Publicações Relacionadas

Deixe seu comentário